Entrevista no “Contos de Duas Doidas”

contosDeDuasDoidasFui entrevistado pelo blog Contos de Duas Doidas. A entrevista está disponível no blog, mas segue também logo abaixo. Se você também gostaria de me entrevistar, entre em contato!

1) A partir de que idade você decidiu que queria escrever livros?

Desde muito cedo, eu devia ter uns 10 anos. Eu sempre adorei ler, e um dia vi na feira do livro da minha escola um aluno vendendo um livro que ele mesmo escreveu. Como este aluno era apenas um ou dois anos mais velho, eu pude me conectar com aquilo, de certa forma, e me passou a sensação de que eu, também, poderia escrever um livro. Assim, escrevi minha primeira história ao longo de um ano, e a vendi na feira do livro seguinte. O livro se chamava: “Os Caça-Vampiros: Uma História Mirabolante”… hehe

2) Se inspirou em alguém? Escritor ou escritora?

Acho que todo escritor que eu leio me afeta de alguma forma, principalmente os que eu admiro. Bem, talvez os que eu não admiro também me afetem, me ensinando como não escrever… hehe Enfim, eu gosto muito de Clarice Lispector, James Joyce, José Saramago… Em geral, gosto de livros que não são óbvios, que inovem em algum sentido, que provoquem o leitor ou o proporcione uma experiência diferente. Enfim, que sejam arte, o que quer que signifique ser arte… hehe

3) Quem leu seus primeiros contos e qual é a sensação de terminar um livro e perceber que dali em diante, muitas pessoas o leriam?

Você quer dizer os primeiros contos de “O Grande Livro das Pessoas sem Nome”? Eu mostrei o primeiro conto para meus pais e amigos próximos. Mas depois disso acabei segurando um pouco, e só mostrei para outras pessoas quando já tinha um rascunho inteiro completo. Recebi comentários dos meus pais, e dos meus amigos do Vale Literário (www.valeliterario.com.br), um grupo de literatura do qual participo.

A sensação de terminar um livro e torná-lo disponível para leitura é um pouco assustadora. É difícil definir quando uma obra está realmente “pronta”, e meu sentimento em relação à qualidade da obra é sempre uma montanha russa… hehe Seria fácil ficar revisando um livro eternamente, e simplesmente nunca publicá-lo. Mas acho que chega um momento em que a gente tem que enfrentar um pouco o medo e deixar a cara à tapa. Até mesmo para ficar “livre” para começar um novo projeto…

4) Qual o seu conto preferido? Por que?

Em “O Grande Livro das Pessoas sem Nome”, o meu conto preferido é o último, “Sociedade”. Reconheço, porém, que ele é um pouco árido, e é o que a maior parte dos leitores não vai gostar. Fiquei um bom tempo até mesmo em um dilema, sem saber se incluía ele no livro ou não. Mas eu simplesmente não conseguia aceitar o livro sem o último conto.

Ele é o meu preferido porque ele é muito diferente do que eu costumo ver. O “Sociedade” está mais para um poema do que para um conto, e é uma espécie de retrato da psique humana, uma espécie de explosão de sentimento. Enfim, não quero falar demais porque a interpretação deve ser livre para cada leitor, mas se você ler o livro vai perceber que o “Sociedade” é, definitivamente, um conto muito diferente dos demais.

5) Demorou quanto tempo pra fazer o livro Vida?

Acho que demorou quase dois anos. A escrita não é minha atividade principal, então é sempre um desafio conseguir arrumar tempo. Estava fazendo graduação em Ciência da Computação na época, e é um curso muito pesado. Mas fui escrevendo, na base de uma hora por dia, e “de repente” o livro estava pronto!.. hehe Espero que isso sirva de exemplo e inspiração para os leitores do blog, acredito que todos nós que temos vontade podemos escrever, é só arrumar um tempinho todos os dias…

6) Qual a mensagem que você quer passar através do livro Vida?

Hmmm… Eu não acredito que uma obra literária deve passar uma mensagem, acho que uma obra deve passar uma pergunta. Cabe ao leitor encontrar a resposta que quiser, ou mesmo não encontrar resposta alguma. Em Vida, acho que a pergunta principal seria “O que é a Vida”?

7) Qual o seu gênero literário favorito?

Meu gênero preferido é a ausência de um gênero, se é que isso é possível… hehe Eu gosto de livros que inovam, que desafiam o leitor, que propõe algo novo, que provocam… Acho que isso é algo que meus escritores preferidos, que listei anteriormente, fazem muito bem.

8) O que você pensa sobre os jovens (brasileiros) que hoje se apegam mais a literatura estrangeira, como por exemplo livros dos autores: John Green, Nicholas Sparks, Rick Riordan e etc. e esquecendo ou nem mesmo conhecendo as nossas grandes obras da literatura portuguesa?

Eu acho ótimo!.. hehe Quero dizer, em um país onde a média anual de leitura gira em torno de um livro, e a maior parte dos jovens só se interessam em ver televisão, jogar video game ou navegar nas redes sociais, os jovens que chegam ao ponto de se *apegarem* a um livro qualquer já estão indo muito bem!.. :) Mas eu pediria a eles para experimentarem um pouco mais, para buscarem coisas novas, diferentes. O Brasil é um país muito rico, o povo brasileiro é muito criativo, e muito talentoso. É uma pena perder esta riqueza toda, ainda mais por terem o privilégio de falar o português brasileiro como língua mãe.

9) Qual dica você gostaria de dar aos jovens que querem começar a escrever livros?

Vou revelar aqui o segredo fundamental da escrita. A dica mais importante, a mais essencial, que afetará profundamente estes jovens. Preste atenção. Se você quer começar a escrever livros, você tem que conhecer esta dica essencial. O grande segredo é: escreva. Sim, escreva. Hoje, agora, neste momento. Há muitos motivos para não escrever. Há muitos medos que desestimulam a escrita. Há muitas razões para adiar. Mas se você quer escrever livros, tem que superar todos os motivos, todos os medos, todas as razões, e começar a escrever hoje. Escreva agora. Escreva todos os dias. Não precisa parar de estudar, não precisa sair do emprego, não precisa terminar com o namorado(a). Basta arrumar um tempinho, um tempinho que seja, todos os dias, e escrever. Não espere a inspiração chegar. Fique parado uma hora olhando para o teclado se for preciso. Mas esteja lá. Esteja lá para escrever, um tempinho todos os dias.

10) Pra finalizar, qual seu livro preferido?

Esta é a pergunta mais difícil desta entrevista… hehe Talvez “Água-Viva”, da Clarice Lispector? Talvez “Retrato de um Artista Quando Jovem”, do James Joyce? Talvez “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, do Saramago?..

Ou talvez… Ou talvez o meu livro preferido não exista. Talvez meu livro preferido seja aquela ideia de livro que tenho em minha mente, o livro ideal que nunca virá a existir, e que eu luto e luto e luto para tentar criá-lo a cada página que escrevo, mas que jamais irei conseguir atingir…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month [email protected] day *